HERMANN JÚNIOR+

São Paulo - 2011-2012

(clique na imagem para ampliar)

Como integrar um espaço com uso inusitado, num local cheio de verde, ao lado de um prédio de destaque e fazendo uma transição suave entre espaço privado e rua?

O programa era bem simples: construir três abrigos para diferentes tipos de resíduos; desde ambulatoriais, passando por laboratoriais até recicláveis. Partindo dessa necessidade um pouco diferente, foi estipulado que a vegetação de maior porte do jardim deveria ser mantida. Uma solicitação importante foi que deveria ser passada uma mensagem com este projeto: materiais recicláveis ou com processo de  fabricação pouco agressivos ao meio ambiente deveriam ser usados na própria construção.

Decidiu-se então pelo uso de tijolos de solo cimento nas alvenarias, visto que não utilizam queima na fabricação, e revestimento externo em chapas de madeira "plástica", feitas a partir da mistura de fibras minerais e plástico reciclado. Para cobertura, em função do alto número de árvores, foi pensada laje verde impermeabilizada, tanto para composição visual como para proteger melhor os produtos estocados da umidade e das folhas e sementes que inevitavelmente caem.

A construção foi relativamente simples. O próprio tijolo de solo-cimento foi utilizado para fazer as contenções laterais de solo do abrigo semi-enterrado. Após o término das alvenarias e lajes, bastou instalar as portas e gradis de alumínio, colocar o quadro elétrico, as tomadas e luminárias aparentes, deixando o canteiro relativamente limpo e pequeno durante todo o processo.

Para finalizar, pintura epóxi interna para aumentar a resistência à umidade e aos produtos químicos estocados e revestimento dos tijolos externos com verniz acrílico de primeira linha.